Festa do Peão de Americana

GALERIA DE FOTOS

INSTITUCIONAL

A Festa do Peão de Americana é um dos maiores espetáculos sertanejos do país. Anualmente, a organização reitera o compromisso de manter viva a cultura caipira, trazendo para o palco mais desejado do circuito artistas que são sucesso no Brasil e no mundo, além das modalidades esportivas tradicionais, realizadas pelas mais importantes entidades. Consecutivamente, Americana é eleita a ‘melhor festa de peão do Brasil’, título concedido pelo Troféu Arena de Ouro, e também de ‘melhor rodeio de público’ e ‘melhor comissão organizadora’. O segredo do sucesso está na origem. Americana nasceu a partir da Romaria à Pirapora do Bom Jesus. A fé e a paixão pelos cavalos moveram Beto Lahr a percorrer o trajeto de devoção. Depois, foi fundado o Clube dos Cavaleiros de Americana, entidade que antecede a Festa do Peão, que tomou proporções astronômicas, conquistando o respeito e a admiração de todo o mercado. A primeira edição aconteceu no ano de 1987, uma parceria histórica entre o Clube dos Cavaleiros e o locutor Zé do Prato, figura emblemática e imortal no universo das montarias. Hoje, a Festa do Peão de Americana comemora a 34ª edição sob os aplausos do público que lota o Parque de Eventos CCA a cada ano. Modernidade e tecnologia acompanham o tempo, sem perder a simplicidade e a pureza do #RodeioRaiz, preservando assim a verdadeira cultura do interior do Brasil.

PROVAS

Companheiros e ao mesmo tempo, rivais! Assim é a montaria em touros, modalidade esportiva trazida dos Estados Unidos e que começou a ser realizada no Brasil em 1970. Homem e animal são considerados atletas e devem realizar a melhor performance juntos. O homem deve permanecer 8 segundos sobre o touro que, por sua vez, precisa derrubá-lo a qualquer custo. A batalha dura é uma das competições mais eletrizantes e a modalidade, considerada o esporte mais radical do planeta. Vence a melhor dupla (somatória de notas do desempenho dos atletas, homem e animal) nos 8 segundos necessários.

O Brasil é sertanejo e o cutiano é a prova disso. A modalidade 100% brasileira consiste na permanência do homem sobre o cavalo durante 8 segundos. Para que a competição seja ainda mais acirrada, muitas regras são impostas, fazendo com que o homem se mantenha em posição estratégica e dificílima, com os pés localizados na altura do pescoço do cavalo e com apenas uma das mãos na rédea, deixando a disputa muito mais eletrizante.

O chame, a beleza e a elegância se misturam a técnica e a velocidade. A corrida contra o tempo sobre o cavalo, em Americana, é realizada apenas por mulheres que devem percorrer o trajeto triangular, formado por três tambores dispostos na arena, no menor tempo possível e sem faltas. Democrática, a modalidade também pode ser realizada por crianças e é um dos esportes equestres mais inclusivos.